quinta-feira, 2 de junho de 2011

Vermelho no Rosto

A máquina explodiu.
Deixou marcas no pelo.
Mas não desse que fugiu.
 
E ao ver ao relento
tudo o que se partiu,
o decidir é lento
em temer quem conseguiu
destruir seu sustento.
 
Pois na ponte que partiu,
traz algum complemento
se poder ter um anil
lá, a qualquer momento.
 
Tem-sya cara do Brasil
manchada de vermelho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário