quarta-feira, 14 de março de 2012

Rio afora

Fazendo estardalhaço,
Chega a imprevisível
Chuvas de todos os marços
Para ser inesquecível.

Sei porque sempre me lembro
De cada alagamento
Que atrasou meu caminho.

Porém, se esquecem sempre
Quem estão representando
Os eleitos pela gente
Que vai estar encarando
Cada terrível enchente.

Mas afogam as memórias
Quem nada Rio afora

Nenhum comentário:

Postar um comentário