sábado, 31 de dezembro de 2011

Um Fim e Um Começo

Todo dia é começo e fim.
Assim é para todos, para mim.
Eu queria depois desse dia
Menos vozes com palavras frias.

Eu queria menos imposições
Menos gente que decide antes
De entender as suas posições.

Eu queria que pusessem calor
Em vez de meramente um louvor.

Que as pessoas agissem com fé
Nas pessoas, nas chances, no que é,
Ao invés dessas tautologias
Em que não se fazer é mais certo
Que conviver qual ele faria.

Quem finda começos somos só nós.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Para um Feliz Natal

Em um dia tão especial
Para todos um Feliz Natal
Indiferentemente de qual
A sua religião

Não podemos nos dizer irmãos
Se dividirmos por tal razão
As pessoas com que vivemos

Temos que pensar todos leigos
Do que seremos e veremos
Pois pensar certo o que cremos
É violar todo direito
De cada dos demais de pensar

Não é aos seus irmãos respeitar
Dizer certo só quem concordar

sábado, 24 de dezembro de 2011

Contente Presente

Eu via um dia
No final do Natal
A sombra da pomba
Que eu sei que criei

Percebi bem ali
Naquela janela
Contente presente

Sou grato de fato
Pelo que receber

Especyalmente tal
Porque é comwa fé
Independente de
Igreja quyalmeja
Ou que não comyo pão

Por se ser quem se é

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Uma vez em três

Cachorros que mordem,
Mordem uma vez
E todos entendem
Porque tal se fez

Abelhas que picam,
Picam uma vez.
Os que tristes ficam
Vêem que refez
Colméia campestre

Cavalos que correm,
Caem uma vez,

Pois não mais conseguem:
Andar com as três,
Deitar um trimestre.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

A Neblina

A neblina
Torn'a esquina
Em um ponto
Que fascina

Antes dela,

Conhecido
A traféga

Depois dela,
Não syenxerga,
Yo qu'encontro
É por regra
Mais que era.

And'um pouco,
Tudo zera.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Presente

Boba paixão
Imitará
Coelhinho:


Histórico
Oaristo
D'eufórico
Enamorar

Por tod'um mar
Em viagem,


Lind'imagem
Um seu pagem
Carregará.

Imitação
A lhe lembrar

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Solstícios

Solsticios vem e vão.

Ou por mero tempo,
Largados nesse chão,

'Sticados no vento,
Tingidos pelas mãos

Isso pelo remo,
Ciótico que é,
Inabil por crermos.

Ou por estar em pé
Diferentes termos

Verão, porém, além
Em qualquer discussão
Rogar um fogaréu
A uns deuses em vão
Ou por gelo do céu

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

8h de Sono

Oito horas de sono

Das horas eu sou dono
Neste momento feliz

Farei o que sempre quis
Deixarei as coisas vis
Todas ficarão pra trás

E terei memórias tais

Que me manterão assaz
Vivo no mundo, capaz
No seguinte momento

Pois por bastante tempo
Poderá ser bem lento

O dia, e extenso
Os fazeres que tendo
A requerer por viver.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

24h

Um dia de alvorada fria
Um dia que a luz aquecia
Um dia de manhã muito quente

Um dia pra acertar as contas

Um dia pra segurar as pontas
Um dia pra assumir deveres

Um dia pra refletir mais vezes
Um dia pra ficarem pendentes

Um dia pra levantar com sono
Um dia pra acordar risonho
Um dia pra se dormir mais cedo
Um dia pra madrugada lendo

Um dia pra ficar retorcendo
Um dia pr'acabar renascendo

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Liquidar

Nadando águas da vida
É fácil não ver saída,
Rodeado só de água
Sem se ver a terra larga,...

Perdido em meio ao mar.

O fim dos nossos começos
É um caldo muit'espesso
Que dificulta o nado

E faz sentir o cansaço
Até sentir-se afundar.

Porém, é rasa contigo
A mesma água, amigo

Basta parar este canto
Que pel'esquerda põe manso
Bile à água engrossar.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Sinusite

A minha grande esfinge
Tem erodida a testa.

Quando a dor se extingue,
Quebra-cabeças são festa,
E o pensar não me cansa.

Mas quando muda o clima,
A testa sente o peso,
E quem comanda acima
Se sente ao corpo preso,...

Ou presa a uma lança.

Ainda que dolorida,
Tal mal-estar entranhando
Lembra a sabedoria
De se ter um corpo sano
Para se ter mente sana.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Tod'Eficiência

Faça o que fizer.

Mas o que lhe vier
Será somente seu.

Pois nenhum outro eu
Fez o aconteceu
Que ocorre a ti.

Nosso próprio agir
Afet'o poder vir
E o estar por vir,
Como consequência.

Tod'eficiência,

Não da penitência,
Virá da ciência
E da consciência
Que bem faz quem faz bem

Real Ler

Nos muitos, pingados
Oblíquos e rasos,
Salvam-se poucos ainda.
São eles que vêem
A vida que têem,

Lambendo a sua língua.

Impede a sede
Ter poucos verbetes

E achar que o que dizem
Roucos sem cadernos,
A todos, é óbvio

Ter e conhecer muito bem
Um vocabulário,
Real dicionário,
Ao bom comunicar faz bem

domingo, 11 de dezembro de 2011

Uma Mensagem de Natal

Nosso mundo evoluiu

Bondade religiosa
Não vem mais duma igreja

A imagem da bondade
Saiu da instituição,
E se tornou algo maior

Agora ela envolve
Pessoas de todas as fés,
E somos de fato irmãos
Quando estamos unidos.

Porém, ainda há tolos
Que acham mais importante
Dizer que são de um grupo,
Em vez de fazer seu grupo
Todos os seres do mundo.





Dedicado a todos os irmãos. Ou seja, a todos os seres vivos neste planeta, mesmo aqueles que se acham menos fraternos para com pessoas que não gostam de beber o mesmo sangue.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Cinza Celeste

Pelo que vejo
pela janela
pelos ares vem
Mais suma daquelas

E eu não estou preparado
Para tudo que for causado
Pelas águas cadentes,
Consequentes enchentes,
E males do mal não fazer

Sou carioca

E é agora
Que lembro eu
De quem perdeu

Eu vi apenas
Fotos pequenas...